quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

IBTY...


Obedecendo a ordem que meu coração me deu de voltar a escrever sem métrica, tempo ou medida, sem melodia, sem ritmo nem rima, aqui e agora, eu volto a borrifar ao vento os sentimentos que não consigo calar. Talvez o nosso momento nunca se repita, talvez o encaixe volte a não acontecer, mas será que o que passou se torna menos significante ao ponto de não ser lembrado?

Marco o dia D da única maneira que posso:

Eu sinto a tua falta.
Eu sinto.
Falta.
Tua.
É tão estranho pensar nessas palavras. Na verdade, pensar não é o problema, mas simplesmente escrevê-las é que fica meio complicado. É como se eu estivesse cometendo algum pecado, falando um palavrão cabeludo quando não devo, ou algo do tipo.
E é tão frio, tão sem sentido o espaço entre nós.

Que estranho!

Subitamente parece que o antes foi perda de tempo. Que esse tempo é o agora.
Uma história em alguns segundos, que por um bom tempo o olhar fica longe, o pensamento disperso e os braços sentindo falta de alguma forma, de algo que estava ali antes, mas que agora torna-se saudoso.
Acho que, embora continue confiando no inesperado - "positivamente" naquele algo a mais - o dia-a-dia não tem sido capaz de suplantar os momentos de felicidade espontânea que tive ao seu lado. São esses momentos vividos e ainda esperados que fazem com que eu acredite, com que eu sonhe e com que eu queira ir em frente.


E quem pode realmente afirmar o que vai acontecer depois deles?

Quem pode dizer que não foi apenas o começo?

Do que? Ninguém também pode saber.

Há pouco estávamos aqui, enxergando um ao outro de uma distância que pode ser medida com os dedos de uma mão. Com as possibilidades que há muito não vejo, estivems juntos sem planos de ir embora. E hoje o que resta é a pergunta: Será que existe algo mais emocional do que optar por ser racional, por medo de "errar novamente"? Erramos?

Agora, distante a ponto de te ver como um minúsculo ponto próximo à curva do horizonte, no meu pensamento só queria, por meia-hora que fosse, me ver diluída no horizonte de uma noite qualquer. E ter o que eu sinto invisível aos teus olhos. Por meia-hora que fosse, te fazer me querer sentir na meia-hora seguinte. Tendo isso em mente, faço o que está ao meu alcance para que esses momentos sejam numerosos, visto que eles jamais são duradouros. Endorfina vicia.

Essa intensidade "indesejada" de sentimentos atribui imenso valor até mesmo ao mais insuspeito dos teus sinais. E isso, às vezes, torna-se tão pesado a ponto me fazer preferir a sensação de ausência de peso inerente à queda à falsa-segurança da terra firme.

Quase sempre eu penso que deveria parar de agir assim.
E eu não paro. Me para?

Enxergo o auge da minha vida como o equilíbrio em uma corda bamba. Qualquer passo descuidado trará o chão para um brusco encontro com a minha face distraída. Não sei o meu próximo passo, mas vivo meus dias e noites em função de fazer com que os meus pés toquem sempre o caminho que eu construí.

Tudo acontecia devagar. Nada mudou: continua tudo mudando a todo minuto.

IBTY.

3 comentários:

  1. Fiquei encantada com sua falta de métrica, rimas e tudo mais que não faltou à sua lírica prosa poética.
    Bjks doces e um bom fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida, Marly.

      Poetisa é você!Me encanta até com seus coments. rs :)
      Rasgado os confetes, meu muito obrigada.

      Ando não só sumida dos posts, quanto das visitas, mas prometo não demorar a fazê-la. Ah, linda sua nova foto. Bom fim de semana prá você, também.
      Beijo!

      Excluir
  2. este texto é tao intenso que faz meu coraçao acelerar. Beijo

    ResponderExcluir

Agradecer é um hábito saudável para quem sabe viver e fazer do agradecimento uma forma de conservar a amizade e conquistar novos amigos!
Obrigada por sua visita e por seu cometário. Volte sempre!