terça-feira, 25 de outubro de 2011

O poeta, o copo e eu.



 Certa  vez conheci  um poeta.
 Estava triste,  arrastava-se em correntes.
 Suas dúvidas e inspirações  tinham um nome...
 Numa noite o poeta me disse que quando adentrou o mundo dos  ‘loucos de amor’,  as únicas coisas que ouvia eram:  que abrisse mão de seu amor platônico. Que aquele era um amor impossível. Fictício.
 Seu único estímulo era prá que encontrasse alguém, ou alguém a mais...
 Muitas vezes ouvia calado. Era recatado. Não entendia.
 Já descontrolado, desesperado, ele resolveu buscar apoio. Passou então se distrair com seus amigos, bebendo, cantando e chorando de bar em bar.
 Palavras lindas, possuidora de corpos encontrara na sua jornada, e  por míseros  segundos  lhe faziam esquecer  sua amada.
 Mas sua saudade não passava. Ninguém preenchia  como ela o espaço do seu âmago. Ela com seu brilho incomum, quando se enchia de cores,  se fazendo enfeite, lhe roubavam o fôlego, disparava  suspiros, e o revolvia de um ciúme que chegava  ante o dramático efeito  de suas fases.  Eram feitos um para o outro.  Acreditava o poeta! Ele lutara pelo direito a esse  estranho amor.
 Os dias passavam, e nas manhãs ele apenas soltava um tímido e ligeiro sorriso de canto de boca, e como quem procura o ar dentro dos pulmões, ele procurava pela chance de tê-la, e enchia-se  do otimismo de que chances  são sempre chances, ainda que pequenas. Ela cada vez mais condizente, naquele  silêncio consentia seus sentimentos,  sem esbravejar,  só distante, sempre distante.
 Cego, obstinado por aquele amor, toda sua esperança derramava-se  em angústia nas noites em que sua amada não aparecia. Com esse sentimento cada vez mais forte,  sua fuga era sempre atrás daquele copo.
 Era ela que ele queria. Era dela que ele precisava.
 Mas sem forças entregava-se, doses e mais doses chamando por seu nome...
 Quando, já embriagado, transformado, e sem respostas,  dizia absurdos prá esquecer do mundo. Depois em palavras chorava  e criticava a si próprio por ter tomado o primeiro copo.
 Vivia seus dois crimes  em liberdade, mas enclausurado  na prisão de suas fraquezas.
 Perdido, vagando na sarjeta da vida, seus sonhos agora se desmanchavam, antes mesmo de acontecer em seus poemas, trovas, crônicas...
 E sua mente em rendição, entre soluços e palavras, confessou-me como se sentia:

“-  Vou só. Por essa estrada em busca de alguém. A chuva fina que cai. O frio da madrugada que vem. E ao meu encontro, não encontro ninguém.
     Grito alto na calada da noite, em vão só escuto ecos no espaço.  O silêncio dói no meu peito.  Pois nunca a terei em meus braços. A minha amada. A lua.”


10 comentários:

  1. Mila

    Gostei muito do Blog na apresentação e conteudo. Não pude add. por não estar nessa hora os seguidores! Ok?

    Beijo do ZÉ

    ResponderExcluir
  2. Olá!Abstrato: fictício, platônico, virtual, real ou outro nome q queiram dar, só existe uma palavra. Concreto: Amor!

    ResponderExcluir
  3. Amiga Mila desde Valencia en España, te tengo que decir que me ha encantado tu escrito, muy profundo e interesante y que efectivamente hay que buscar y siempre se encuentra, te lo dice un hombre que siempre encontró lo que buscaba.
    Un abrazo amiga y adelante, sigue

    ResponderExcluir
  4. Amores, poetas, e boemias.
    Uma combinação quase perfeita.
    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Mila,

    se já não bastasse esse vídeo com Chico, você ainda, e para não deixar literalmente, pedra sobre pedra, escreve esta frase em forma majestática e absolutamente linda:

    "Ela com seu brilho incomum, quando se enchia de cores, se fazendo enfeite, lhe roubavam o fôlego, disparava suspiros..."

    Comentar mais o quê?

    Fala serio!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  6. O poeta navega nas palavras
    Naufraga em silêncios
    E se o poema acende desejos
    O poeta morde
    Os seus próprios beijos...


    Beijos meus!
    AL

    ResponderExcluir
  7. Mila, boa historia, já pensou em escrever um pequeno livro pra começar é claro, você possui uma forma gostosa de escrever fácil de qualquer pessoa imaginar os cenários e sentimento dos personagens

    Parabéns.

    ResponderExcluir
  8. os poetas nao amam uma mulher- é o proprio amor que os devora. essa cançao é linda, Montaigne, meu escritor favorito, inspirou o Chico, meu compositor favorito.

    ResponderExcluir
  9. Que paixão maluca!!!
    Poeta Poeta o que fazer quando estamos loucos de amor?
    Sera sentir ?!?!

    ResponderExcluir
  10. Muito bom passar por aqui novamente!
    Beijo, não some =)

    ResponderExcluir

Agradecer é um hábito saudável para quem sabe viver e fazer do agradecimento uma forma de conservar a amizade e conquistar novos amigos!
Obrigada por sua visita e por seu cometário. Volte sempre!