quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Pequena autobiografia.

 Sou uma pessoa que causa estranheza. De necessidades esquisitas. Sou feita de expressões!!
 E eu detesto pessoas. Gosto mesmo é de gente de verdade, sem frescura, sem máscaras. Dessas sim, não sei viver sem. É por isso que gosto de criança. Não há nada no mundo mais verdadeiro, sem limites e revelador. Eu causo estranheza, mas não me acho diferente, a não ser pela coragem de me admitir. Não me pergunte, se não quiser ouvir a verdade.
 Minhas estranhices são tão simples. Gosto e preciso de solidão, de silêncio. Aprendi com o tempo a gostar de ficar comigo mesma, de me bastar...Gosto de ver tevê a dois, mas confesso que sozinha acho bem melhor. Gosto de usar o computador sem sentir "olhos curiosos" pelas costas. Gosto de dança, de poesia, de praia . Eu não sei nadar!
 Gosto de ouvir música alta no escuro. Gosto de deitar de conchinha. Mas prá dormir mesmo, se não respirar em cima de mim, agradeço! Sou espaçosa, mas na minha cama sempre sobra espaço quando instintivamente minhas pernas se enroscam.
 Me arrumo na minha bagunça. Me perco e me acho nos devaneios de minhas paixões. Gosto de olhar pro nada e achar um ponto fixo prá refletir. Gosto até quando não consigo dormir de tanto pensar. Funciono melhor a noite, seus mistérios, possibilidades e a falsa calmaria me estigam. Vibro meu próprio timo. Rir de mim e chorar comigo mesma só prá me esvaziar. Sou  egoísta. Grito quando quero que saiam todos os fantasmas de dentro de mim. Isso nem sempre dá certo, mas eu grito assim mesmo! De novo preciso de solidão, prá ler e escrever. Mas tudo bem se tiver um pezinho brincando com o meu enquanto leio em silêncio. E não sou triste, às vezes fico! E solidão não é a falta de gente do lado (diz, o grande Chico Buarque). É quando nos perdemos em nós mesmos e procuramos por nossa alma. Minhas amizades são profundas, respeito opiniões, aceito as diferenças, e gosto de ter raízes.
 Sou humana. Choro por nada, e por qualquer coisa. Não fujo de uma boa briga, mas sou aberta ao diálogo. Destilo quando preciso doces e amargos venenos. Às vezes me frustro com solidão forçada. E me encanto com olhares que dizem tudo. Faço jus ao meu nome. Me aceito como sou. Feita de santos pecados. Falante pelos cotovelos e sorriso fácil. A primeira impressão prá mim nunca conta. Sou forte, sou boba, menina, às vezes ácida. Minha respiração e o meu olhar me denunciam. Tenho a mania de morder os lábios e erguer uma das sombrancelhas. Me sinto como uma reta, mas minha história é cheia de curvas. E a minha estrada tem buracos enormes. Sempre quero o amor que dou de volta e não tenho vergonha de pedir. Sou carente! Amo poucos. Mas esses poucos, podem apostar, amo muito. Sou feita de metades inteiras, uma delas é tudo que sinto. Eu não sou legal, não mesmo. Mas eu sei me entregar! Me esforço muito prá ser tudo isso de um jeito certo e sem machucar. Mesmo que o mundo todo me julgue errada e no fundo eu nao passe de "uma pessoa".

Musiquinha combinandinho com meu momento!!

Adoro músicas que falam por mim!!

7 comentários:

  1. Todo mundo procura a outra metade da laranja, mas por que laranja? Num pode ser limão, adicione açucar, gelo da uma amassadinha, hummmmm qui dilicinhaaaa e se acrescentar vodka então!! Melhor ainda :) haha

    ResponderExcluir
  2. Querida!
    Adorei de coração o que li.
    Parabéns pela sua coragem em se expôr despida
    de preconceitos.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Um brinde a pessoa que você é, pois gostei de tudo que você disse sobre você! t+

    ResponderExcluir
  4. Oi! Sou sua nova amiga do Portal. Li sua Pequena Autobiografia e pode ser xavão, mas me lembrou de mim, na juventude, acho que vamos nos dar bem, sim!
    Seu Blog tá show! Vou sempre dar uma bisoiada aqui.
    beijos em seu coração!

    ResponderExcluir
  5. quizá por eso nos identifiquemos con las cosas que dices, todos tenemos ese sentimiento que nos hace querer mejorar las cosas, de para de figimiéntos y decir lo que realmente pensamos, eso nos hace ver las cosas de manera mas clara sin rodeos, sin teatros. Como decía Pablito Neruda: "Hoy puedo quejarme porque el día esta lluvioso
    o puedo dar gracias a Dios porque las plantas están siendo regadas".
    El angulo que vemos, revela quienes somos.

    ResponderExcluir
  6. Amo cada texto teu Emília. Tu escreve de coração, isso que importa .

    ResponderExcluir

Agradecer é um hábito saudável para quem sabe viver e fazer do agradecimento uma forma de conservar a amizade e conquistar novos amigos!
Obrigada por sua visita e por seu cometário. Volte sempre!